E lá vai mais um post da Bia contando um pedacinho de tudo que Deus tem feito na vida dela…

Hoje quero escrever sobre o Refinados, mas como tudo tem um precedente.. tenho que contar de outro refinados.. o refinados que aconteceu há 2 anos, e que eu fui parcialmente.

Não, não foram só as minhas pernas, ou só o lado direito do corpo.. o caso é que fui e fiquei doente, tive que voltar antes do tempo previsto.  Algumas coisas desse refinados eu não vou esquecer nunca… como por exemplo o tanto de pernelongos que tinha lá – o Martini que o diga… -, o tucano super simpático que pseudovoava pelas ároves dalí de perto, o cachorro que pulava na água pra resgatar a bola cada vez q ela caía no rio, e que atrapalhava todos os nosso jogos de futebol porque queria jogar também,  as inúmeras vezes q eu bati a cabeça no beliche (falta de costume, mas que não explica minha loucura, afinal eu já era meio doida antes disso), os grupos pequenos, as brincadeiras, a preparação pra brincadeira noturna, o fato de eu ter chego umas 6 horas antes de todo mundo e não ter feito nada esse tempo todo além de ser sugada pelos incríveis-pernelongos-devoradores (repelente era tempero) e ficar ouvindo o daniel dedilhar todas as múicas que ele conhecia no violão que ele não conseguia afinar (acho q tava faltando uma corda, não tenho certeza…). Mas a coisa mais importante q eu nunca esqueci desse refinados foi o quanto eu fiquei com vontade de participar da equipe. Eu via a galera correndo pra lá e pra cá, cuidando dos acampantes, tudo sendo preparado com carinho.. ouvia eles ensaiando até as 4h da manhã (eu estava tentando dormir…), arrumando tudo… Aí eu não aguentei e me meti a judar.. passei algumas horas picando tomates, cebolas, carnes e outras coisas pra Jussara, mesmo com ela reclamando de tudo q eu fazia, e no final ela agradeceu. Não q eu estivesse fazendo errado, mas são hábitos. E aí eu percebi que era isso que Deus queria de mim dalí pra frente. Ajudar apenas com os retiros da igreja não era suficiente, até porque já tinha feito algumas coisas e precisava de um espaço novo para trabalhar. É verdade, demorou bastante pra chegar o tempo dEle me apontar o que fazer, de uma forma mais concreta, mas esse tempo chegou e agora eu estou na MPC, como diz o Cleber “sendo PPTO” (pau pra toda obra).

Participar dos Fala Sério foi o máximo também, me proporcionou experiências únicas, momentos mágicos, conhecer pessoas maravilhosas, reforma nos meus valores, abrir minha mente e meu coração pro que Deus pensa do mundo e de mim, e esse Refinados 2008… Eu não tenho palavras!

Então, talvez descrevendo um pouco de como tudo aconteceu eu consiga expôr minha visão.

Interessante como as coisas que têm acontecido na minha vida eu não consigo descrever com as palavras q eu queria… justo eu, que sempre me julguei uma boa conhecedora do português (A LINGUA PORTUGUESA FALADA NO BRASIL, que fiquei claro XD), sempre lí tantos livros.. ultimamente não consigo explicar nada. As coisas ficam subjetivas, perdidas no ar, e eu mais perdida ainda, tentando ler nas entrelinhas e nas palavras gritadas por Deus o que Ele quer me dizer.

Bom, vamos falar do Refinados, então…

 

O REFINADOS 2008 – PARTE I

Chegamos atrasados na igreja. Todos já estavam no ônibus. Esperar o Dio no centro foi uma tortura! Não que eu não goste dele ou qualquer coisa assim, mas porque estava preocupada, queria estar lá pra tudo, não perder um só segundo, ajudar no que fosse preciso. Mas esperei ele.. e o trânsito.. que caos! O que tantas pessoas faziam nas ruas naquele horário? Eu pensei que ouviria uma bronca do Cleber, mas ele sabia q eu não podia ter feito nada. – Obrigada por ser legal comigo e com o Dio, Cleber -.

Quando eu vi toda aquela gente, a galera animada e tal, eu sabia q seria legal.. mas precisava agitar mais o pessoal… já fui fervendo no ônibus, no pouco tempo que fiquei lá dentro. Depois ir com o Henrique, o Maicon, o Dio, o Martini e a Angélica no carro foi maisdoque divertido. Aquele dinossauro tãolindo³ (*_*) no caminho (a gente não parava de zoar o coitado…), o fato de ter q me jogar no banco de trás, com o carro em movimento, pra fazer aquelas criaturas sossegarem e pararem de me cutucar, empurrar meu banco e tirar sarro do meu cabelo – eu estava de dreads ainda – foi algo q eu nunca pensei que seria capaz de fazer.

Enfim chegamos.. já começamos a providenciar tudo, conhecer o lugar, organizar o que precisava ser organizado… e ver videozinhos, enquanto o pessoal do ônibus e dos carros não chegava. Dalí a pouco chega o Maia correndo, tocando o terror, dizendo que o ônibus quase capotou, que ficou sem freio, que quase bateu no carro de trás, que tava atolado, que tava todo mundo assustado… Eu pude ver todas as veias saltando de cada um alí. Achamos que tinham sobrado só umas 5 pessoas vivas, que o ônibus estava tombado num barranco, que os sobreviventes precisavam de soccorro, isso pelo jeito que ele tava contando… Tá, o ônibus ficou sem freio na subida, foi indo de ré até parar no barranco. O motorista era bom, conseguiu evitar o pior. Deus estava alí, cuidando de tudo. E isso tudo aconteceu na entrada da chácara. Ninguém se machucou, ninguém morreu, ninguém perdeu nada. O ônibus ficou lá um bom tempo ainda até conseguir ser levado por um trator e arrumado. Buscamos as bagagens do pessoal com os carros, a galera entrou a pé mesmo, entregamos as malas, cada um foi pro seu quarto organizamos todo mundo. Aí era arrumar o som e preparar tudo pra programação sair como o previsto. Nisso a equipe ficou até as 5h da manhã trabalhando. Ensaiando peças, músicas, ajustando os ultimos detalhes…

Alguns foram dormir, outros ficaram mais um pouco ainda…

E aí já era sábado, um novo dia, que será contado no próximo post. haha.

Então, não percam os próximos capítulos de “O REFINADOS 2008 – Uma aventura em Mafra”

Deus abençoe vocês!!! o/

1 comentário

  1. Cleber Sá em 26 de novembro de 2008 às 10:18

    Ahahahaha, ai ai ai Bia, só você mesmo! Adoro seus posts! São divertidíssimos!
    Bjs

Deixe um Comentário